Menu
Arquitetura & Arte

Arquitetura Orgânica: sua casa mais sustentável

Você já ouviu falar em Arquitetura Orgânica? A preocupação e a conscientização em relação à sustentabilidade e preservação da natureza tem aumentado cada vez mais em todas as áreas e na arquitetura não poderia ser diferente. A Arquitetura Orgânica ou Sustentável, está aqui para provar que é possível construir projetos incríveis sem causar danos à natureza. Quer saber mais sobre esse tema e sobre como você pode colaborar com a preservação do meio ambiente? Confira!

Arquitetura Orgânica

A Arquitetura Orgânica foi criada pelo arquiteto norte-americano, Frank Lloyde Wright, no início do século XX, entre os anos de 1910 e 1939. Desde pequeno, Frank era inspirado pela natureza, além de fazendeiros e agricultores. Por esse contato, sempre prestigiou a relação do ser humano com o ambiente ao seu redor.  

O conceito defende a integração da natureza com os espaços internos e externos das edificações, promovendo a harmonia do meio ambiente com o homem e valorizando a naturalidade. Tanto nos materiais como também em móveis, ventilação e iluminação dos espaços. Visando essa integração, as obras da arquitetura sustentável são adaptáveis e fluidas, buscando sua expressão artística no que representa a vida: o movimento.

Com esse dinamismo, os projetos arquitetônicos possuem um design visualmente interessante. Com diferentes formas que proporcionam, além de beleza aos olhos, o bem estar físico e psicológico do ser humano. Seguindo o seu propósito, de fazer com que a arquitetura facilite as atividades comuns do dia a dia, as obras transformam o ambiente em um verdadeiro organismo vivo. Quebrando todos os padrões arquitetônicos e tornando os espaços mais agradáveis e funcionais.

O estilo ficou conhecido como um dos estilos da chamada “escola futurista” dentro da arquitetura modernista. Apesar de ter nascido no início do século passado, vem se tornando cada vez mais presente nas construções. Tendo como seu maior representante atual, o arquiteto mexicano, Javier Senosiain

Princípios da Arquitetura Orgânica

Como base para essa tendência, Wright apresentou 6 princípios essenciais a serem seguidos na construção de projetos da Arquitetura Orgânica. São eles:

Integridade: esse é o pilar que define a uniformidade do projeto, garantindo que o espaço interno e externo estejam relacionados como se fossem um só. Dando a eles o mesmo grau de importância. Esse princípio valoriza a conexão entre todas as partes e a beleza da obra.

Continuidade: criada para explorar a liberdade e fluidez dos espaços, a continuidade pode ser considerada de duas formas: física ou espacial. A física tem como abordagem a unidade da fachada como um único plano, sem rupturas. Enquanto a espacial, contempla a integração fluida entre os espaços externos e internos, dissolvendo o conceito de cômodos projetados como caixas.

Plasticidade: é a união visual dos elementos da obra. Esse princípio determina que não exista diferença entre forma e função, dando seguimento aos conceitos de integridade e continuidade.

Simplicidade: considerada a característica principal da Arquitetura Orgânica. Tem como objetivo eliminar qualquer objeto que não tenha relação com a construção e unidade, focando assim, nos elementos oferecidos pela natureza.

Gramática: para reforçar a unidade, o arquiteto define como base a gramática. Conceito que indica a harmonização dos elementos internos e externos, como se falassem a mesma língua, transmitindo um único discurso em sua totalidade.

Natureza dos materiais: fonte de inspiração e criação para o arquiteto. Wright valoriza mais uma vez os recursos naturais e aponta como um dos pilares da Arquitetura Orgânica, a preferência pelo uso de materiais sustentáveis como pedras, tijolos, madeira e argila.

Esses foram os princípios apresentados na criação do conceito de Arquitetura Orgânica. E, que são utilizados cada vez mais por arquitetos que se preocupam com a preservação da natureza e a integração do ser humano com o meio ambiente.

Os impactos na sociedade

Em seu discurso, Frank Lloyd Wright, enfatizava, além do design diferenciado de suas obras, as práticas conscientes e acessíveis utilizadas por ele. A preocupação com os problemas ambientais que ainda impactam a sociedade, social e economicamente, estimulam e reforçam o uso dessa tendência sustentável nos projetos de engenheiros e arquitetos – cada dia mais. 

Atividade essencial para a sociedade. A arquitetura vai muito além de desenhos e obras, é ela quem une história, estética e sustentabilidade – tema de extrema importância para a sociedade. A sustentabilidade contribui para o equilíbrio e desenvolvimento sadio de diferentes setores, como: ambiental, econômico e social. Por isso, é fundamental que profissionais como arquitetos e engenheiros estejam alinhados e engajados com essa causa.

Faça sua parte

Não são apenas os profissionais da área que podem ajudar a tornar o mundo um lugar mais saudável e sustentável. Você também pode adotar maneiras de contribuir com esse tema dentro da sua casa. 

Tecnologia LED Brilia: o futuro do planeta nas suas mãos

A tecnologia LED Brilia coloca o poder transformador da luz nas suas mãos! Para contribuir com a saúde do meio ambiente, você pode começar substituindo suas lâmpadas comuns por lâmpadas LED, por exemplo. As lâmpadas LED possuem diversas vantagens. Elas não esquentam praticamente nada e são capazes de economizar até 90% mais energia do que as lâmpadas incandescentes – já que a maior parte da energia recebida pelo diodo emissor é convertida em luz. Além disso, não possuem substâncias tóxicas em sua composição, evitando danos ao meio ambiente.

A tecnologia LED é sustentável e possui maior durabilidade e, além disso, proporciona maior economia no consumo de eletricidade, segurança e estabilidade na iluminação da sua casa. 

Inspire-se com a história da Arquitetura Orgânica de Wright e faça sua parte para tornar o mundo um lugar melhor!